quarta-feira, maio 24, 2017

43 aninhos...

So pra lembrar, hoje é meu aniversario :o)
Quero ver quem vai mandar presentes.
Se quiserem mandar pelo paypal, é alexandre.tabajara@gmail.com
(vai que cola...)

quarta-feira, maio 10, 2017

Reparo do sensor de velocidade do Renault Twingo

(Tabajara Heavy Industries) :oD

Seu Twingo tem esse sensor, e o velocimetro parou?


Dificil e caro de achar, nao é?

Vamos resolver seu problema :)

Primeiro, abra o sensor. É só cortar (na serra mesmo, ou bata com um estilete e martelo) na fenda logo abaixo do conector

Abrindo o sensor, voce vai encontrar essa plaquinha:


O problema é a pecinha preta no meio, escrito "SS11 404". Basta troca-la.

Aonde achar? Facil:Neste link ---AQUI---

Comprou, trocou, remontou, funcionou.

Antes de remontar, de um bom banho de alcool isopropilico na placa e no sensor inteiro. Ao montar, lubrifique os o-rings de borracha com oleo de cambio ou vaselina. Cole a parte serrada com araldite ou silicone de alta temperatura. O araldite é bem melhor.

E seu sensor ficou novo de novo :o) 


terça-feira, maio 09, 2017

Uma MegaRAM **bem** diferente


Vez por outra aparece um hardware desconhecido (ou pouco comum) para MSX. Esse ai de cima foi uma grata surpresa.

A MEGARAM é um dispositivo criado pelo Ademir Carchano pra poder rodar as copias de jogos MEGAROM de MSX. Basicamente uma expansao de 256KB de memoria em um padrao "nao oficial", acessorio obrigatorio a todo MSXzeiro de carteirinha da epoca.

Infelizmente a megaram original do Ademir foi copiada por uma duzia de fabricantes. DDX, Cheyenne, MPO e outros que nao me lembro mais. Porem, essa dai eu nunca tinha visto, nem conheço quem tenha igual (O Ravazzi deve ter, mas ele tem tudo mesmo, entao nao conta :oD). Ela foi fabricada pela Conector, o fabricante dos drives DMX.


Essa megaram apareceu no lote que me foi ofertado anteontem, e foi realmente a "joia da coroa" porque nunca tinha visto uma megaram dessa antes. Ela diz ser "DISK" mas nao tem **absolutamente nada** de diferente do circuito "basico". Ela me parece ser uma megaram como outra qualquer. A megaram "disk" da DDX tem uma PAL e uma EPROM que é onde reside o DOS e o programa de controle da parte de disco.


Como podem ver, nenhuma eprom. A unica coisa que tem diferente das megarams do Ademir, é que essa usa um par de 44256 (memoria DRAM de 256K por 4 bits) ao inves de 8 41256 (memoria DRAM de 256K por 1 bit). O que essa turma provavelmente fez, foi um programa que mapeia os 256KB da megaram como um drive logico, e chamou de "megaram disk". Coisas da epoca.


Ainda estou fuçando nos discos que vieram com o conjunto. Assim que tiver novidades eu coloco disponivel pra turma :o) Pelo menos fiquem com as fotos de um item de hardware bem diferente.

E lembrando: Estou sempre disponivel pra doacoes de micros e videogames antigos.
E por enquanto, disponibilizo um serviço personalizado e especializado de manutencao. Contacte-me pelo alexandre@tabalabs.com.br

Grande abraço galera!

domingo, maio 07, 2017

Ah, como é gostoso ganhar um presente!

Hoje ganhei um agradavel (e inusitado) presente.

O Sr. G (o qual nao vou por o nome aqui por motivos obvios) mandou uma mensagem no Clube do Hardware oferecendo um MSX pra doação. Por sorte, fui o primeiro da fila. Combinamos de passar na casa dele hoje pra pegar o "pacote" e la fui eu, de carona com o meu fiel escudeiro Magiquinho (porque o carro ta na oficina).

Chegando la nao apenas fui recepcionado por uma familia encantadora, como tambem vi coisas que eu nunca imaginei ver hoje em dia... O Sr. G.S. guardou IMPECAVELMENTE cada um dos itens com um cuidado que poucas vezes vi.

Vejam a caixa de Expert Plus mais impecavelmente nova que eu vi nos ultimos 10 anos. A caixa nao tem UM MISERO DETALHE, parece que o micro saiu da loja HOJE


Com todos os plasticos e isopores originais e intactos


Com direito a nota fiscal


E toda a papelada (e fusiveis!) que vinham com o micro


Tem drive de disquete...Com as embalagens E PLASTICOS originais


Tem software original


E mais software original


Tem tambem monitor verdao, um monitor muito incomum!



Teve direito a uma MegaRAM RARISSIMA :D


A livros e manuais


E uma rara papelada da epoca :oD


E uma caixa LOTADA de disquetes com muuuuuuuuuuuuuuuuuita coisa bacana


Um pacotao muito legal!!! Muito obrigado ao sr. G. S. e sua adoravel familia pela recepcao, e pelas doações. Nao apenas eu agradeço, mas a comunidade MSX que vai ter disponivel mais itens documentados e digitalizados!

Lembrando a todos: Estou sempre disponivel para receber doacoes de micros e videogames antigos, em qualquer estado :o)

Ate a proxima, galera!

sábado, maio 06, 2017

Transformando o YIS503/II em CX7M/128 (parte 3)

No ultimo capitulo da nossa saga, demos aquela passeada pelos intestinos do YIS503/II. Lembrando que teremos marromenos esses passos (em negrito é o que faremos hoje):
  • Apresentacao do computador (parte anterior)
  • Desmonte completo
  • Expansao da VRAM
  • Expansao da RAM
  • Instalacao do circuito de mapper
  • Instalacao do chip de relogio
  • Expansao da ROM
  • (quem sabe...) Expansao para 2+
   Hoje nos vamos fazer a transformação PREELIMINAR deste micro pra MSX2 da forma "certa"

Primeiro, por que "preeliminar"?

Porque esse micro merece muito mais, e cabe muito mais coisa nele. Merece ter uma mapper decente interna, uma placa de VRAM decente e algum uso pros slots internos de memoria que estao disponiveis e nao usados :o)

Pra ter um MSX2.0 COMPLETO, entao voce precisa ter o circuito de relogio. Na placa ha lugar nao apenas pra mapper completa, mas tambem pro circuito de relogio. Aqui esta o circuito ja montado na placa. Era pra ter tirado a foto ANTES de motar as peças, mas eu tirei com o celular, saiu horrivel.


Pra nao dizer que está tudo montado, faltou montar o Trimmer (TC301) e o conector da bateria (CN315). Uma dica muito importante: SEM CLOCK DE 32.768kHz O MSX NAO FUNCIONA. Advinha como eu descobri? Isso mesmo, nao coloquei o Trimmer, ele fica em serie com o cristal do relogio e o micro nao partia. Obvio, estou usando as roms ORIGINAIS do CX7M/128.

Mas vamos por partes. Primeiro, voce vai colocar um soquete para a sub-rom. Nao tem milagre, é tirar as soldas e soldar o soquete.


Eu usei um soquete torneado, mas nao há "necessidade". Coloquei pq tinha a mao. O soquete vai no IC323.

Colocado o soquete, vamos passar pro pedaço da placa onde vao os circuitos da mapper e do relogio. A lista de peças está aqui


Nao tem muito misterio. Soquetes em todos os integrados, a unica coisa "delicada" é a colocacao dos transistores. Os originais tem a polaridade C B E, e os substitutos brasileiros a polaridade é E C B. Voce vai levantar a perna mais a direita do transistor, encaixar o transistor 1 furo deslocado a direita e o terminal que voce levantou, vai ligar no furo que ficou vago mais a esquerda. Vide fotos.

Colocadas as peças, voce remonta o micro (ainda como MSX1) e testa. Tudo tem que funcionar.

Depois, vamos pra expansao "provisoria" da VRAM...A VRAM neste micro fica em uma "placa-trampolim) com 16K de VRAM.


O engraçado é que tem uma "gambiarra" pra placa-trampolim ser ligada no CAS0 do VDP...


Primeiro, a Yamaha cortou o fio do CAS1 (segundo banco de 64K) que iria para o soquete da placa-trampolim. Ta dando pra ver ali dentro do quadrado vermelho o corte na trilha?


Depois ela pegou o sinal de CAS0 que iria para o primeiro banco de 64K na propria placa mae, e jogou no pino correspondente do soquete da placa-trampolim.

Tao bolados pq isso, ne? Vou explicar...

Pelo que o Leonard Oliveira falou, esse micro ficou pronto ANTES de terminarem com o BIOS/BASIC do MSX2, entao o micro é um MSX2 inteiro, faltando pouca coisa. So que naquela epoca, 8 chips de 64Kx1 (que é o que tem o espaco na placa) custavam ABSURDAMENTE MAIS CARO que 2 chips de 16K x 4, mais as peças da placa-trampolim. Entao era "razoavel" todo esse trabalho pra ter apenas 16K de VRAM na placa. Hoje em dia a economia seria irrisoria.

Entao, pra "quebrar o galho" enquanto as placas que o Luciano Sturaro projetou estao vindo da china, nós vamos colocar 64K na placa mae e modificar a placa-trampolim pra caber 2 memorias de 64K x 4.

Na placa mae, vamos primeiro retirar o fio vermelho da foto acima. E vamos refazer a conexao por baixo da placa.


Com isso, temos novamente o CAS1 na placa-trampolim.

Vamos limpar as soldas do banco de 64K de VRAM da placa mae e - claro - instalar soquetes. La vao 8x 4164.


Feito isso, seu micro ja deve ter 64K de VRAM. Nao adianta testar pelo TESTRAM, ele so reconhece 16K de VRAM em um MSX1 :o( Mas mesmo assim ligue o micro e verifique se esta tudo funcionando. Obvio que esse teste é pra ser feito SEM a placa-trampolim instalada, ne?! :o)

Agora vamos modificar a placa-trampolim. Retire as 4416 da placa e instale um par de 4464 com os pinos 10 e 14 levantados. Soquete SEMPRE, né? :oD


Essa modificacao eu copiei do Jean-Pierre Dubois, voce liga os pinos 10  e os pinos 14 juntos. Os pinos 10 voce liga ao pino 14 do conector branco. Os pinos 14 voce liga ao pino 17 do mesmo conector


Feio bobo e chato, mas com isso voce consegue 128K de VRAM no MSX2 com pouco trabalho. Prontinho, só encaixar a placa-trampolim no lugar e ligar pra testar com o BIOS do MSX1. Tem que funcionar.


Agora o grande momento - Vamos bootar como MSX2!!!

Primeiro voce vai pegar um desses conjuntos de memorias:
  • ROMs do CX7M/128 - originais da Yamaha
  • ROMs do CX7M/128 - modificadas para NAO USAR o chip de relogio
  • ROMs de 2.0 do Fabio Belavenuto, modificadas pra usar nesse Yamaha COM chip de relogio
E grave as ROMs em duas memorias 27256 (ou 27C256). O motivo de eu estar usando uma 27C256 na MSX2EXT.ROM é que as 27128 sao mais caras e mais dificeis de achar. Entao ja preparei o arquivo pra 27C256. Basta coloca-las no lugar e ligar :oD

video

FUNFOU! :oD

Essa é a transformacao "gambiarra". Gambiarra porque o correto (e que vamos fazer) é usar a placa de VRAM com 128K, e a placa de RAM com 2 megas de mapper. Se podemos fazer direitinho, pq vamos fazer gambiarra, né? :o)

As placas ja estao encomendadas. Quando chegarem, teremos um post com a montagem, instalacao e teste das placas. O projeto das placas é do Luciano Sturaro. Quem quiser ajudar a "quebrar" o custo que eu tive pra fazer essas placas, pode jogar uma moedinha na minha conta (caixa economica, peca o numero pelo alexandre@tabalabs.com.br) ou via paypal (peça tambem o endereço). Quem contribuir com mais de 50 reais (e o frete) leva um jogo de placas de presente.

Espero que tenham gostado. Ainda tem mais, aguardem o proximo post :o)

quinta-feira, maio 04, 2017

Transformando o YIS503/II em CX7M/128 (parte 2)

Ola pessoal!

Dando continuidade ao post anterior, vamos começar a aventura por dentro do YIS503/II

Lembrando que teremos mais ou menos essas partes:
  • Apresentacao do computador (parte anterior)
  • Desmonte completo (o que vamos falar hoje)
  • Expansao da VRAM
  • Expansao da RAM
  • Instalacao do circuito de mapper
  • Instalacao do chip de relogio
  • Expansao da ROM
  • (eventualmente) Expansao para 2+
Vamos começar entao aprendendo como abrir essa jaca? :) 


Um pequeno tour ao redor dele antes...

MSX 1 né?



Essa ai é a tampa que vai no lugar do cartucho LATERAL (de 60 pinos) de expansao. Note que vem o parafuso para voce fixar o SFG-01, SFG-05 ou qualquer das outras interfaces (que sao varias)

Primeiramente um aviso: NAO TEM PARAFUSO. O micro é fechado todo com travas. Sao 4 travas na traseira incrivelmente chatas de abrir. Recomendo voce usar uma chave de fenda longa e fina pra desencaixar as travas e um par de palhetas de guitarra paa manter as travas que voce ja destravou, abertas




Eu vou acabar tendo que fazer um video, mostrando como tirar essas travas. Mas basicamente voce afasta essa lingueta da ultima foto do ressalto dentro do gabinete, tenta manter as duas metades do gabinete afastada e encaixa uma palheta de guitarra (ou uma regua, uma faca, sei la) pra mante-las afastadas ate desarmar as 4 travas. Destravando essas travas, ta pronto, pode levantar a tampa.


Primeiramente vamos tirar o teclado. Apesar das aparencias, o flat-cable do teclado fica a direita (embaixo das setas). Muito cuidado ao retirar/encaixar, essa membrana o Maluf nao fabrica! :o)

Retirado o teclado, ai está a placa desnuda na sua frente


Em cima a esquerda temos a fonte, no meio temos a placa de RF e logo abaixo dela, a VRAM e a RAM encaixadas na placa mae.


Primeiro tiramos aquele parafuso ao lado do trimmer verde, em cima do V de VRAM

Depois tiramos o parafuso da fonte (alias e melhor tirar a fonte inteira de uma vez


Tem outro aqui a direita...


Agora vamos tirar a fonte


Observe que nas bordas da fonte, há uma trava na parte de baixo, outras duas na parte de cima. Solte a trava de pressao da parte de baixo e a fonte sai inteira. Tire tambem o cabo de força e o interruptor.

Com isso soltamos a placa-mae :)



Aproveitando, algumas coisas interessantes: 


Placa de RAM (64K)


Placa de VRAM (16K)


 Processador e S3527 (MSX-Engine)


Olha que eprom doida! Na realidade sao DUAS eproms em um mesmo substrato, com uma porta NAND (74LS00) no meio

O famoso soquete misteroso, que ate hoje nao vi cartucho pra ele. Imaginei que esse soquete fosse pro cartucho do Yamaha DX-7. Mas a pinagem é diferente. O que será???

Bem, esse post fica por aqui. Essa foi uma mera "exposicao" do que voce vai encontrar dentro do micro. Proximo Post, as placas de expansao de RAM e de VRAM. Fique ligado que tem MUITA novidade ;o)